segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Calamidade natalina

A prefeitura de São Paulo, Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomércio), e iniciativa privada, investiram pesado no natal paulistano. São milhões de lâmpadas e árvores, espalhadas por pontos diversos da cidade, num investimento de aproximadamente R$ 5 milhões. Acompanhando a decoração foram instalados projetores apontados para prédios importantes da cidade, como o prédio da justiça, por exemplo, onde animações com temas natalinos preenchem as paredes, um verdadeiro espetáculo de luz, laser e animações computadorizadas.
Pessoas do interior do estado e de outras regiões do país visitam a capital paulista para assistir o espetáculo, aquecendo o turismo e as vendas. Para visitar as exposições natalinas existe todo um roteiro de transporte exclusivo, incluindo ônibus, metrô e trem. Os ônibus, por exemplo, partem do Viaduto do Chá, no Centro, seguindo um trajeto que inclui visitas ao Centro Antigo, Avenida Paulista, Região dos Jardins, Ibirapuera e arredores da Avenida Faria Lima. Os bilhetes custam R$ 8,00 por pessoa. Veja reportagem no vídeo abaixo:

Aqui em Campos nem parece que é natal. É claro que não estamos com clima pra comemorar nada, com tantos desabrigados pelas enchentes; nem também seria possível a comparação com o natal paulistano. Mas, guardadas as proporções, poderíamos ter atrações natalinas. Nem mesmo o maestro Ethmar Filho, grande incentivador dos corais natalinos, pudemos ter este ano. A cidade não tem decoração de natal, não tem nada. Os poucos comerciantes que se dispuseram a algo, penduraram algumas lampadazinhas em suas lojas, e pronto.
Assim fica difícil! Enquanto os governos e a iniciativa privada não enxergarem nessa cidade o seu real tamanho, não teremos desenvolvimento de verdade. Enquanto não investirmos no turismo, na recuperação do nosso patrimônio histórico e arquitetônico, na qualidade do nosso comércio, na produção cultural de qualidade, não teremos um desenvolvimento de verdade, que rompa com esse clientelismo provinciano.

Foto: Antônio Cruz


2 comentários:

ta.ta.mires disse...

Se eu morasse em São Paulo povavelmente já teria fujido, odeio decoração de natal, não conheço combinação mais feia de verde vermelho e dourado, mas, independente disso, muito me espanta um investimento desse tamanho em perfumaria, acho ao menos digno que com a atual situação da nossa 'intrépida amazona' não tenha ninguém perdendo tempo e gastando dinheiro com mais uma arvore natalina de gosto duvidoso na Praça São Salvador.

Ana Paula Motta disse...

Questão de ponto de vista o comentário acima.Bom, Rodrigo,concordo com você em gênero, número e grau. Essa cidade é mesmo a do atraso,tanto do poder público quanto da iniciativa privada.Os comerciantes daqui pouco investem e só sabem se lamentar e exigir investimentos públicos,nunca fazem sua parte.Em qualquer cidade grande ou média do mundo essa é uma época de decoração nas ruas e vitrines e de aquecimento da economia. E só uma observação bem pessoal: pra mim a decoração de Natal ( bem feita,é claro)é uma das coisas mais belas do mundo,adoro essa época com suas cores,luzes e com o clima que toma conta das ruas.Em nossa cidade nem esse direito temos.